O Direito à Vida como Pauta Comum

O Direito à Vida como Pauta Comum

As mobilizações de 19 de junho reacenderam a esperança de um país que retorna a compartilhar dos mesmos anseios: uma sociedade justa, democrática e profundamente solidária. Tomar as ruas e as praças em plena pandemia, não sendo negacionista, é uma atitude política extrema, de defesa incondicional do direito à vida, lutando pela imunização da população por meio do acesso à vacina.

Esse não é uma questão exclusiva do campo da esquerda. A pauta é civilizatória. A defesa da vida deve ser sempre um tema consensual. Todos, mesmo aqueles com um mínimo senso de cidadania e humanidade, já compreenderam a urgência de dar um basta no amplo processo de destruição que está em curso no país. As pautas urgentes, humanitárias no momento consistem em proteger a população contra a Covid-19 e também não deixar ninguém passar fome.

Agora o país precisa estar unido em torno da defesa intransigente da vida. Não é possível naturalizar a morte de mais de 500 mil pessoas por uma doença que já existe vacina. Vidas sagradas, existências singulares, de pessoas amadas, que se foram por pura negligência, inépcia, ignorância, maldade. A única questão relevante é trabalhar para evitar que mais vidas se percam. A sociedade deve estar inteiramente mobilizada para preservar vidas.

Talvez, enquanto sociedade, tenhamos alcançado o limite mais extremo, quando a morte se torna pura banalidade, quando as palavras justiça, compaixão e solidariedade deixam de ter significado. O país tem sido lançado no mais profundo vazio, sem cidadania nem humanidade. A tarefa irrenunciável de todos nós consiste em resgatar o Brasil para os brasileiros.

A capacidade de construir unidade em torno da luta em prol da democracia, configura-se como a condição básica para se enfrentar e derrotar o neofascismo e o ultraliberalismo, que é serviçal do mercado econômico. Sem abstrações, em linhas gerais, hoje a democracia representa acesso à vacina, segurança alimentar, trabalho com garantias e condições dignas de existência. Essas são as pautas mínimas, fundamentais, que devem estar no centro dos debates e articulações políticas.

 

 

 

 

Adelino Francisco de Oliveira é doutor em Filosofia, mestre em Ciências da Religião e professor no Instituto Federal, campus Piracicaba.

 

 

 


Imagem de capa: manifestação “FORA BOLSONARO” Concentração no MASP, Avenida Paulista, São Paulo, SP. 26 de junho de 2021. Foto: Roberto Parizotti.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *