Voz – o que ela tem a nos dizer?

Voz – o que ela tem a nos dizer?

Poucos se dão conta de que a voz vai muito além de ser um simples instrumento usado para comunicação ou canto. No entanto, a voz pode ser uma poderosa arma tanto para o bem como para o mal. Voz rouca, afinada, clara, inaudível e engraçada são apenas alguns dos adjetivos que podemos associar a ela.

Mais do que isso, a voz nos identifica, faz parte da nossa personalidade. Assim como a impressão digital, temos também nossa “impressão vocal”. Seria uma espécie de assinatura que identifica cada pessoa como única no mundo. Além do conteúdo do discurso, muitas outras informações do falante são passadas através da voz. Seu estado de humor, por exemplo. É possível saber, pelo modo com um locutor fala, se está de bom humor, triste, feliz ou com muita raiva. O modo de falar, seu ritmo, sua entoação e a qualidade dos sons produzidos pela fala são objetos de estudo de muitos pesquisadores brasileiros e internacionais.

Para compreender como é possível avaliar todos esses atributos da voz, é preciso entender como o som é produzido por nós humanos falantes. Ele é o produto do movimento das pregas vocais que vibram quando o ar dos pulmões passa por elas. As vibrações produzem sons harmônicos como os de uma corda de violão. Artistas que cantam e tocam violão estão na verdade soando dois instrumentos de cordas ao mesmo tempo! A qualidade desse som pode ser moldada pelo trato vocal que funciona como um tubo de ressonância que começa nas pregas e vai até a saída do som pela boca e nariz. Esse som pode ser captado e analisado em programas de computador que geram, entre outras, informações sobre tonalidade, ritmo, intensidade, variabilidade, vivacidade e velocidade da fala ou do canto.

Esses atributos físicos da fala são extremamente úteis para a área da fonética forense, que se ocupa da análise acústica de material que inclua voz e esteja ligado a alguma investigação criminal. Atualmente, muito se tem publicado nas grandes mídias sobre gravações de conversas telefônicas. Como saber se essas gravações foram manipuladas? A voz é mesmo daquela pessoa? Estão disfarçando a voz? O que acontece com nossa voz nesse período em que todos devemos falar através da máscara? O Grupo de Fonética Forense da Universidade de Campinas (UNICAMP), liderado pelo Prof. Dr. Plínio A. Barbosa, dedica-se há anos ao estudo de análises acústicas da voz e tenta responder tais questões.

Felizmente, informações obtidas de análises da voz não auxiliam somente na investigação criminal. Em tempos de pandemia, essas análises poderão ajudar também na detecção de pessoas com COVID-19 e comprometimento pulmonar que necessitem de atendimento urgente. Baseado no conhecimento de que para vibrar as pregas vocais é preciso do ar que vem dos pulmões, cientistas da Universidade de São Paulo (USP), tendo à frente a Profa. Dra. Sandra M. Aluísio, estão desenvolvendo um aplicativo para detecção de pessoas com COVID-19 que apresentem variações na fala devido ao fluxo anormal de ar.

O fluxo prejudicado pela doença pulmonar provoca principalmente alterações de ritmo da fala que podem servir de indicador da necessidade de atendimento médico imediato. Uma vez comprovada a eficiência dessa ferramenta, através de estudos clínicos, muito auxiliará o atendimento médico e consequentemente a melhora do prognóstico de pacientes com COVID-19. É sabido que pacientes foram a óbito porque esperaram tempo demais em casa acreditando que a doença estava controlada. Porém, ainda não há conhecimento científico suficiente para saber quem vai evoluir mal – e essa má evolução pode ocorrer em horas.

Sem dúvidas, análises acústicas da voz como as realizadas pela fonética forense e pelo aplicativo são fantásticas! Mas, as informações dadas pela voz vão muito além do puramente físico. Estudos de percepção da voz, ou seja, como as pessoas ouvem e interpretam em seus cérebros os dados transmitidos de uma voz ouvida, também são alvo de muita investigação. Ao ouvir o som de uma voz, somente o som, é possível formar a imagem da pessoa que fala mesmo que não a conheçamos presencialmente. Não apenas uma imagem, mas toda uma mensagem não verbal acerca da possível personalidade, do papel social ou da atitude do falante são transmitidos. A atitude pode ser raiva, tristeza, felicidade, insegurança, polidez, desprezo, sedução, admiração, autoridade, polidez ou neutra. Graças a esse tipo de comunicação associada ao som, a voz possui o poder de cativar, persuadir, envolver ou irritar quem a ouve. Essa característica da voz pode ser usada, por exemplo, para vender produtos, arrebanhar seguidores ou convencer pessoas. Pode, portanto, ser usada para o bem e para o mal.

Outro exemplo do uso da voz para o bem é o banco de voz iniciado pela cientista Profa. Dra. Rupal Patel da Northeastern University em Boston, EUA. Ao presenciar o diálogo entre uma menina jovem e um homem adulto que perderam suas vozes por problemas de saúde e usavam aparelhos de voz sintetizada para conversar, a professora percebeu que apesar de possuírem diferentes personalidades, gêneros, idades e corpos, falavam com a mesma voz, a sintética! A partir disso, montou um banco de vozes em que é possível escolher a voz que mais se adequa ao usuário. Todos nós podemos ser doadores de voz e proporcionar vida mais saudável aos que perderam essa capacidade tão preciosa. https://vocalid.ai/

Desse modo, a voz tem sim muitíssimo a nos dizer, basta saber ouvi-la.

 

 

 

Beatriz Funayama Alvarenga Freire é médica, cantora,  atleta, doutora em medicina pela Unesp, pós-doutora pela Rijkuniversiteit Groningen – na Holanda – e mestre em linguística pela Unicamp.

55 thoughts on “Voz – o que ela tem a nos dizer?

  1. Parabéns Beatriz você certamente contribuiu para ampliar meus conhecimentos sobre o uso da voz! Incrível a questão da doação ! Parabéns pela coluna!

  2. Muito bom Beatriz(tatinha). A gene realmente não dá muita importância a nossa voz. O quanto ela é poderosa. Me fez refletir para as aulas de ciências e usar esta abordagem quando falar sobre som e voz.

    1. Excelente Lidia! Fico feliz em saber que o artigo será útil na difusão do conhecimento. E cuide muito bem da sua que é seu instrumento de trabalho! Bjs

  3. Muito interessante e importante tema cultural! Detalhes que passam despercebidos no automatismo da nossa rotina. Beatriz, com sua grande capacidade comunicativa, simplifica esse tema complexo, deixando-o compreensível de maneira leve e prazerosa. Que venham outras crônicas, com temas dos mais variados, pois confio no ecletismo dessa grande médica, grande cantora, grande atleta, Amiga e Filha exemplar! Um exemplo prá todos nós! Marques.

  4. Muito interessante seu artigo Beatriz! Ele é muito instrutivo e da exemplos de pesquisas muito ricas sobre diferentes aspectos da investigação da voz por vários meios e com finalidades diferentes. Me encantei com o número de possibilidades e, lendo ele, sinti vontade de aprender mais sobre a voz!!!!

    Um grande abraço, Piva

  5. Achei as informações muito relevantes e curiosas sobre a nossa voz. A Dra. Beatriz apresentou as diversas possibilidades de estudos sobre a voz. Na expectativa da próxima coluna…

      1. Obrigada Carlinhos! Agora descobri pq vc achou que seu comentário não havia sido publicado. Vc colocou no comentário do Franklin… kkkk
        Mas, vlw assim msm!
        Bjaum

    1. Que bom que achou interessante Regina. Eu estou ainda engatinhando no vasto mundo da fonética acústica. Mas, acho essa área fascinante e estou completamente apaixonada. Gde abç

  6. Muito bom o artigo ! Parabéns!!
    Fazendo um contraponto, a ausência da voz , ou o silêncio 🤫…é objeto da minha reflexão e constante admiração ! A capacidade q temos em silenciar a mente, através da meditação, para ouvir a voz interior, é hj cada vez mais almejado por diversas tribos.
    Destaco o filme indicado a Oscar de melhor filme em 2020 : Sound of Metal ,lançado no Brasil como O som do Silêncio …vale a pena conferir !

  7. Que reflexão fantástica, analise por vários ângulos, todos importantes.
    Adorei a ideia do banco de vozes. Seria legal se tivesse como recuperar a própria voz através de gravações e registros anteriores, mantendo a identidade vocal. Imaginem a melhora da auto-estima.
    Esperando pelas próximas publicações.
    Amei seu lado cronista. Bj

    1. Muito Grata Lê! Eu tb adorei o banco de voz desde que ouvi pela primeira vez uma palestra da Dra Patel. Que ideia genial! Coloquei-me no lugar das pessoas que perderam a voz. Fiquei imaginando: Eu professora e cantora sem voz.
      Bjaum

  8. Sem dúvida, a voz é um facilitador e funciona como parâmetro para identificarmos diversas situações e sentimentos. Excelente texto, Dra. Beatriz!

  9. Parabéns Dra Beatriz Freire . Excelente artigo . Muito rico em informações .
    Quem sabe um dia e escuto um show seu e de sua banda. ,👏👏👏

    1. Muito Obrigada João Carlos! Espero que vc ouça minha voz cantando ao vivo num futuro muito breve. Nossa banda está “calada” desde o início da pandemia. Está sendo muito difícil para mim ficar cantando para uma tela. Gde Abç

    1. Muito obrigada Clar pela leitura. O “mundo” da voz é fantástico! Vai muito além do abordado no texto. Fico feliz em ter despertado seu interesse. Bjaum

  10. Excelente artigo Dra Beatriz. Muito didático .
    Revela seu alto conhecimento e sua paixão pelo assunto. Aliás em tudo o que faz existe essa paixão.
    Uma pessoa admirável, uma estudiosa como poucos.
    Espero ansiosa por mais artigos.

  11. Muitissimo interessante! Conciso e com dados científicos, aprendi sobre o banco de vozes! Não imaginava que existisse!
    Parabens! Amei o artigo!! E fiquei imaginando como a perda da voz – tanto funcional como social impacta na qualidade de vida!! Ter voz é sentir- se vivo!! O artigo suscitou em mim, reflexões!! Muito obrigada

  12. Parabéns Bia. Texto EXCELENTE!! TOP!!

    Muito enriquecedor saber de todas essas características da voz e de como podemos usá-la.
    Realmente é uma ferramenta incrível não só na área da comunicação mas em outras áreas as quais acabei de aprender aqui com você. 😉

    Novamente, parabéns!!

    1. Muito obrigada! Fico feliz em saber que trouxe com certeza ótimas lembranças. Plinio é uma pessoa incrível! A D O R O esse cara! Continuo aprendendo muito com ele, apesar de que meu cérebro nem sempre consegue acompanhar o dele. kkkk
      Gde abç

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *