Por que não nos apiedamos de Bolsonaro

 

Em primeiro lugar, que fique bem claro: este site é contra qualquer forma de violência. Não nos regozijamos com o mal, mesmo que ele incida sobre figuras abominais e que, por sua própria vez, professem o mal. Não exaltamos a vingança. Somos contra a violência. Somos contra o fascismo. Somos contra atentados aos Direitos Humanos – mesmo que sejam os “direitos” daqueles “humanos” que se colocam contra os próprios “direitos humanos.”

Afinal, este espaço online quer-se pacifista, quer-ser difusor da serenidade e da ética, quer-se defensor dos ditos e fundamentais direitos humanos (repetindo-se a fórmula: mesmo que sejam os direitos daqueles “humanos” que propagam o mal, daqueles que difundem o ódio, daqueles que professam atrocidades). Pensamos e agimos assim porque, se assim não fosse, nos tornaríamos como eles: maus! Se assim não agíssemos, compactuaríamos como eles e também nos tornaríamos – de alguma forma – também um pouco fascistas, ridículos, ignorantes, desumanos e bestiais.

Ao não desejarmos o mal a ninguém, mesmo aos mais idiotas fascistas, nos guiamos pela ética e pelo valor da vida humana. Ao não desejarmos o mal até mesmo a quem prega o mal, mostramos a nós e também aos maus que todos podemos ser, sempre, melhores. Na mesma trilha, nos apresentamos como radicais na cruzada contra a violência (mesmo quando ela tenta exterminar aqueles que, como missão, paradoxalmente têm apenas o mal como norte e essência). Combater o mal com o bem é, para nós, em resumo, a NOSSA tarefa! É a NOSSA missão! E desse ideal não abdicaremos jamais!

Dito isso, cabe todavia nos posicionarmos sobre o atentado ocorrido contra o candidato à presidência da república pelo PSL. E, também, nos é de máxima importância refletir sobre sua perigosa repercussão na mídia e em meio ao público eleitor. Por isso, sobre esse caso e sobre esse candidato, ponderamos:

  1. Reconhecemos que não vemos motivos para nos apiedarmos de ataques a quem apenas sabe defender a calamidade e o estado de exceção. Ou seja: não vemos motivos para nos penalizarmos sobre o que aconteceu ao candidato do PSL. E que, novamente, fique claro: não apoiamos o que ocorreu ao senhor Jair Bolsonaro, mas também entendemos que o que ocorreu a ele não aconteceu por acaso. Mais do que isso, entendemos que o candidato, ao se colocar como difusor do mal, atraiu para si o mal que tanto propaga. Por isso, pela postura do candidato em sua vida pública, não vemos no ocorrido um drama ou algo inesperado.
  2. Da mesma forma, NÃO entendemos que o crime cometido contra o candidato em questão seja um crime político. Repetimos: NÃO entendemos, apesar de lamentarmos, que o crime contra o candidato do PSL seja um crime político. Nesse sentido, vale afirmar: NÃO achamos, como muito se disse na grande imprensa, que a facada contra Bolsonaro é uma facada na própria democracia brasileira. Não! De maneira alguma! Afinal, sejamos sinceros: o candidato do PSL, ao menos até o momento, nada fez de proveitoso em sua vida pública e política. Como bandeira para sua eleição, apenas defende o mal, a morte, a guerra e as armas. Mais do que isso, o candidato em questão só sabe atacar indiscriminadamente a seus “inimigos,” defendendo torturadores, exaltando o extermínio de opositores e da esquerda brasileira de modo geral. Como figura pública, vende-se o candidato como a um militar capaz de matar aos infiéis da direita.
  3. Para além disso, quer-se tal candidato como um “soldado” que – se eleito – irá aniquilar àqueles que lutam por questões de gênero, por questões sociais e pelos pobres. Sua fala é, assim, monocórdia e carregada de alusões à violência e ao preconceito de todas as formas. Por isso, não é difícil entender que sua posição “política” desperte também o medo no espírito doente daqueles que, ao se sentirem ameaçados, sintam-se igualmente no direito de contra-atacar. Afinal, que violência gera violência sabemos desde sempre – e entendemos não ser diferente nesse caso. Ademais, o ataque ao candidato partiu de um ato isolado, de um lobo solitário desajustado e amedrontado pelas atrocidades que propõe o candidato.

A nosso entender, crime político e digno de pena e de revolta foi o cometido contra a vereadora Marielle – do PSOL, no Rio. Sua morte brutal ocorreu, ao que parece, premeditada por agentes da própria política carioca – e seu assassinato foi igualmente tramado (também ao que parece até agora) entre aqueles “descontentes” com sua atuação política – humana e corajosa – em prol dos menos favorecidos. Como se acredita, foram por motivos políticos que seus algozes puseram fim a uma jovem e brilhante mulher dedicada à vida política – a qual ainda iria se desenvolver positivamente muito mais. Crime ocorrido há meses, o assassinato de Marielle segue sem solução. Seus assassinos seguem livres. E a repercussão do caso não teve, nem de longe, a mesma cobertura que o atentado ao candidato do PSL angariou.

Da mesma forma, e em outra via, igualmente atroz para a democracia – a nosso ver – é manter-se preso um ex-presidente da república que, julgado e condenado sem provas, é condenado (à revelia dos tribunais e comitês internacionais – como o comitê da ONU), preso e impedido de concorrer à eleição para o cargo majoritário do país.

Por isso, reafirmamos que o lamentável atentado contra o inominável candidato do PSL é uma terrível e condenável reação ao fascismo proposto pelo próprio candidato ao longo dos anos e também de sua campanha eleitoral atual. Não havendo, portanto, crime político. Desligado de questões maiores, o autor do atentado contra o candidato do PSL se diz – tal como o próprio candidato – um ser ungido por Deus e a serviço de uma voz divina. Ora. Fato curioso. Se ambos – vítima e agressor – estiverem dizendo a verdade, jocosamente podemos dizer que está na hora de Deus resolver de que lado está.

A encruzilhada política a qual chegamos – com uma vereadora morta por questões políticas, com líderes sociais igualmente assassinados pelo Brasil afora, com candidatos presos sem provas e outros vítimas de atentados cometidos por perturbados que alucinam ante propostas violentas para a política do país – precisa ser urgentemente terminada! Não é possível prosseguirmos no campo democrático assistindo pacificamente a democracia ser colocada em  xeque dia sim e outro também.

Tristes com mais esse episódio – como dissemos, lamentável – ocorrido no Brasil em época de eleições, ouçamos a resposta que nos dá o velho adágio popular: “Quem semeia vento, colhe tempestades”.

Que as tempestades que hão de vir sejam de paz e de respeito, de amor e humanidade. Sempre!

Está em nossas mãos a possibilidade de escolhermos o bem e não o mal. Está na força do nosso voto e do nosso discurso diário não deixarmos a força bruta e o discurso da violência prevalecerem sob qualquer aspecto e em qualquer caso.

É preciso por fim à barbárie e garantir os direitos políticos e humanos de todos.

 

 

Diário do Engenho

4 Comments on "Por que não nos apiedamos de Bolsonaro"

  1. Parabéns pelo texto!!!!

  2. Razões óbvias explicitadas com sabedoria. Belíssima reflexão.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.


*