Vote na democracia.

Pode parecer pleonasmo, mas neste domingo a democracia está literalmente nas mãos do povo.

Isso por que, em pleno século XXI (e também por mais ridículo que possa parecer), o Brasil,  um país com tradição democrática e humanista histórica e mundial, vê-se açodado  pela força demoníaca da militarização e da brutalidade – que põe em risco a grandeza democrática da nação, conquistada pelos cidadãos a duras penas.

Quer  dizer, as eleições deste ano já entraram para história – independentemente de seu resultado final -, uma vez que os votos do povo deverão optar – meu Deus, como chegamos a esse ponto! – por muito mais do que um candidato ou um plano de governo para o país. Na urna deste domingo, esperando a decisão popular, pendem para lados opostos a liberdade do povo ou sua capitulação às forças dominadoras da barbárie.

Ou seja:  de um lado da urna está um candidato preconceituoso, racista, homofóbico, militarizado e antidemocrático – defensor das armas, do extermínio e da violência. De outro lado, estão 12 outros candidatos que – mantidos em seus respectivos vieses ideológicos – opõem-se à entrega do país às mãos do candidato militarizado, dos truculentos e daqueles que propagam o mal.

Fatal, ao que parece a escolha pelo mal vem fascinando uma grande massa iludida e emburrecida que – possuída por um apagamento mental a ser estudado seriamente algum dia – fecha seus olhos para as atrocidades que são ditas pelo candidato do mal.

Movida por uma obsessão ao Partido dos Trabalhadores e a seu candidato, essa massa manipulada não consegue equalizar o pensamento em torno do bem nem se preocupa em avaliar as propostas de todos os candidatos. Da mesma forma, não conhecem também nada do que seu candidato “mito” pretende para o país (se é que ele pretende alguma coisa). Enganada, obsediada, iludida, boa parte da massa eleitora nem não consegue dar conta de que estão fazendo um pacto com as mais diabólica forças traiçoeiras e mentirosas.

Em consequência disso, a democracia corre o risco de sucumbir neste domingo e cair mortalmente abatida no campo político da nação. Evitar que essa atrocidade acontece está nas nossas mãos, nas mãos de todos os brasileiros que – se desejosos pela manutenção do estado democrático e de direito – precisam escolher qualquer um dos demais candidatos à disposição do Brasil. Menos, ele. Ele não!

Votar pelo bem e pela democracia é, assim, um dever de quem – acima de tudo, pela nação e por seus cidadãos – não quer entregar as cabeças de todos para as espadas dos imbecis.

Vote pela democracia!

Para sempre, ele não! Ele nunca!

 


Diário do Engenho.

 

 

 

Be the first to comment on "Vote na democracia."

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.


*