Vislumbramos trinta e três mil anos de trevas

Vislumbramos trinta e três mil anos de trevas

Por Rafael Gonzaga de Macedo

A trilogia Fundação (1951-53) é considerada uma das maiores obras de ficção científica já escrita. Seu autor, Isaac Asimov (1919-92), nascido na Rússia e naturalizado estadunidense e autor de várias outras obras célebres, que se tornaram, inclusive, sucessos do cinema, entre elas podemos citar filmes como Inteligência Artificial e O Homem Bicentenário. Asimov era formado em bioquímica, mas como todo homem amigo do conhecimento, tinha um vasto interesse por diversos campos, como sociologia, filosofia, história, física e a robótica.

Ele também escreveu as três leis da robótica que expressam grande inspiração humanística e é levada a sério por engenheiros e pesquisadores do campo da Inteligência Artificial – área de ponta no desenvolvimento científico e cuja ciência filosófica, especialmente a fenomenologia, tem se mostrado de fundamental importância – e da mecatrônica, as três leis dizem o seguinte:

1ª Lei: Um robô não pode ferir um ser humano ou, por omissão, permitir que um ser humano sofra algum mal.
2ª Lei: Um robô deve obedecer as ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens entrem em conflito com a Primeira Lei.
3ª Lei: Um robô deve proteger sua própria existência desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e/ou a Segunda Lei.

Quando Asimov escreveu a trilogia Fundação, tinha como referência a leitura, que fizera pouco antes, da obra Declínio e queda do império romano (1776-1788) de Edward Gibbon (1737-94). A série Fundação, portanto, é inspirada na história do declínio do Império Romano e no processo de transição para a Idade Média na Europa. Na obra de Asimov, um historiador chamado Hari Seldon desenvolve a psico-história – uma mescla de conhecimentos sociológicos, filosóficos, estatístico e psicológicos –, que seria capaz de prever o futuro através da análise das tendências sociológicas e psicológicas das multidões humanas – jamais prever a ação individual, mas apenas das sociedades em sua longa duração. O Império Galáctico, contendo milhões de planetas e bilhões de habitantes, nas previsões psico-históricas de Seldon, caminhava inexoravelmente para sua fragmentação seguida por um período de trinta e três mil anos de Idade das Trevas. Nada podia ser feito para alterar esse futuro sombrio, pois as forças centrífugas do Império provocava, em igual medida, forças contrárias que acabariam por destruir sua unidade.

Diante deste fato, Seldon propõe ao imperador a criação de uma enciclopédia galáctica que seria fundada em ponto específico do universo e que seria capaz de preservar todo o conhecimento acumulado do Império e, através de uma conjunção de eventos econômicos, culturais e sociológicos de longuíssimo prazo, encurtar o período de trinta e três mil anos para mil anos de barbárie espacial. O desenvolvimento do conhecimento humanístico, portanto, seria a chave para evitar que a humanidade permanecesse no mais puro caos universal por dezenas de milhares de anos. Esse grande projeto receberia o nome de Fundação e seria constituído em um pequeno e desprezível planeta chamado Terminus, localizado na extremidade periférica do Império – longe o suficiente das lutas intestinas que fatalmente eclodiriam nos próximos quinhentos anos em seus diversos quadrantes e planetas centrais, conforme a psico-história havia previsto.

É como se um historiador romano conseguisse prever, a longo prazo, os efeitos da Pax Romana, instituída por Otávio Augusto, no século I a.C. e que perdurou até o século II d.C. A paz romana estabilizou as fronteiras do Império, impondo limites às conquistas imperiais. Porém, o que parecia um alívio imediato de dois séculos se mostrou fatal para a existência do Império, pois estrangulou o fluxo de escravizados oriundos das conquistas, que eram fundamentais para a economia de Roma. O Império tombou sobre seu próprio peso.

Terminus se localizava em um ponto privilegiado no Universo de tal forma que a marcha entrópica (rumo ao abismo) do Império Galáctico não afetaria esse pequeno planeta. Muito pelo contrário, justamente a distância do centro é que permitiria a Fundação, um centro de excelência cultural e tecnológica, de alcançar a proeminência entre os diversos reinos independentes do Império, que conforme se distanciavam da centralização imperial se tornavam cada vez mais rudimentares. Um dos aspectos mais interessante nesse downgrade tecnológico vivido pelos reinos vizinhos de Terminus é que eles se tornavam mais bárbaros na medida em que abandonavam a energia nuclear dos tempos imperiais e adotavam energias com base em combustíveis fósseis. Nesse ponto vale a pena mencionar a fé de Asimov na energia nuclear, ainda uma novidade nos anos 50 e considerada na trilogia Fundação a base tecnológica de Terminus.

Na trilogia Fundação é possível vislumbrar certa concepção historiográfica em Isaac Asimov que dialogava, entre outras coisas, com a história social e econômica dos anos 50, bem como a noção da história, que remonta aos românticos alemães do século XIX e talvez ainda mais antiga, que idealiza o desenvolvimento histórico em termos humanos: nascimento, crescimento e morte. É surpreendente perceber, por exemplo, como Asimov se aproxima da concepção historiográfica de Fernand Braudel (1902-85) – grande expoente da Escola dos Annales – e sua concepção de longa duração ao mostrar que não havia muito espaço para ações individuais no desenvolvimento histórico da Fundação. Em certa parte de seu livro monumental O Mediterrâneo e o Mundo Mediterrâneo na Época de Filipe II (1949), Braudel, por exemplo, nega-se a explicar os sucessos de Don Juan da Áustria na vitória contra as forças turcas em Lepanto, escrevendo que o mesmo fora apenas “força do destino”. Na trilogia Fundação, muitas vezes os protagonistas precisam apenas deixar o destino fazer sua parte para que as ameaças a sua existência sejam derrotadas por essa força misteriosa, mas desvendada pela psico-história de Hari Seldon.

Além disso, também podemos perceber, conforme já apontado pelo historiador italiano Carlo Ginzburg (1939) – célebre autor de O queijo e os vermes (1976) – que Asimov comungava com a concepção da Idade Média como a Idade das Trevas oriunda da visão preconceituosa dos humanistas renascentistas da Itália e que, conforme mostrou vários historiadores, entre eles o maior medievalista de todos os tempos, Jacques Le Goff (1924-2014), não se sustenta mais.

Todo o desenvolvimento da Fundação e sua expansão a partir da periferia para o centro da antiga esfera de influência do Império se daria, primeiramente, através de uma influência religiosa: conforme o Império encolhia surgiam reinos e planetas independentes que, incapazes de manter a tecnologia imperial, regrediam social e culturalmente. Mais uma vez é possível perceber a influência do exemplo da história europeia que Asimov deve ter lido em Gibbon, pois, nos primeiros séculos depois da queda do Império, incapazes de construir os imponentes edifícios da era imperial, os moradores de Roma canibalizavam grandes monumentos romanos para construir seus próprios edifícios, retirava-se, por exemplo, colunas de antigos templos para realocá-las em outros lugares.
A Fundação, por sua vez, por reunir todo o conhecimento do Império não só era capaz de manter essa tecnologia como, a partir dela, inventar e expandir novas conquistas tecnológicas. E graças a isso, a Fundação se tornou uma espécie de centro religioso dos reinos bárbaros circundantes que, incapazes de compreender a tecnologia do pequeno planeta, atribuíam a este um poder mágico. A Fundação seria em seus primeiros séculos de existência uma espécie de Igreja Católica, que no século V e VI era praticamente a única remanescente da antiga glória romana.

É, portanto, graças ao conhecimento histórico, sociológico e filosófico em conjunção com a matemática que Seldon pôde prever a catástrofe inevitável que aguardava o futuro do Império Galáctico. Graças a esses conhecimentos também que a humanidade, no universo da Fundação, conseguiu evitar mais de trinta mil anos de barbárie. Mutatis mutandis, caso o Império Galáctico fosse o Brasil dos tempos atuais teríamos que suportar trinta e três mil anos de trevas. Precisamos de nossa Fundação urgentemente.

 

Rafael Gonzaga de Macedo é professor de História.

 

2 Comments on "Vislumbramos trinta e três mil anos de trevas"

  1. Muito bom

  2. Sensacional, professor! Estou lendo A Fundação neste exato momento e é inevitável fazer o paralelo com os tempos atuais, sobretudo o Brasil sombrio que estamos vivendo. Obrigado! Aproveito, e deixo uma sugestão: você poderia se aprofundar nesta mudança de olhar sobre a Idade Média, daria um bom artigo. Abraço!!!

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.


*