Espelho, espelho meu.

Espelho

Mário simpatiza com a esquerda. Tem nível superior completo, hábito de leitura e acredita que a solução para problemas do país encontra-se na justiça social. Mário sentiu raiva e desprezo pela médica que vazou o diagnóstico de Marisa Letícia pelo WhatsApp. Mário ficou horrorizado com o comentário do neurocirurgião e as inúmeras manifestações de felicidade pela morte da esposa de Lula. Mário acredita ser um cidadão do bem.

Tarcísio simpatiza com a direita. Tem nível superior completo, hábito de leitura e acredita que o trabalho pela liberdade individual irá tirar o país da crise. Em 02 de abril de 2015, ficou estarrecido com os comentários que povoaram a notícia da morte de Thomaz Alckmin, filho de Geraldo Alckmin. Tarcísio diz ser um cidadão do bem.

Mário, em abril de 2015, reuniu-se com os amigos e em um bate-papo descontraído achou merecida a dor do então Governador pois assim sentiria na pele o que as famílias da periferia passam diariamente. De um jeito a justiça chegou e ele, que sucateou o Estado, que fez riqueza com a miséria e o sofrimento dos pobres. Pena que o playboyzinho não estava levando o papai para passear… Voou tão longe nas asas do pai que atingiu em cheio o chão! Todos riram porque aqui se faz, aqui se paga.

Tarcísio jantava com um casal de amigos quando a morte cerebral da ex-primeira dama virou notícia. Começaram discutindo as causas supondo possíveis hábitos que poderiam ter causado o AVC até Tarcísio concluir que mais cedo ou mais tarde alguém daquela família teria que pagar pelo sofrimento da população… Tanta gente morrendo nos hospitais públicos e ela no Sírio rodeada de mordomia e excelentes médicos. Já vai tarde, companheira! Um lugar vermelho te espera! Todos riram porque aqui se faz, aqui se paga.

Mário e Tarcísio não se conhecem, mas em novembro de 2016 compartilharam no WhatsApp piadas sobre a prisão e transferência de Garotinho para Bangu. Tarcísio e Mário riram do desespero do ex-governador do Rio e vociferaram que a justiça tarda, mas não falha. Divertiram-se com a situação deprimente, com o avental hospitalar, com a reação da filha deputada, com o sofrimento do político pois todo vexame que essa família passar, é pouco.

Tarcísio e Mário, mascarados e ungidos pela cidadania do bem,pela certeza de defender o bem estar familiar próprio e alheio, agem como juízes sádicos ignorando que seu desejo de vingança, seu cansaço diante de tanta impunidade, alimenta o maniqueísmo que rege uma sociedade rasa, violenta e desigual. São incapazes de compreender que todo cidadão é passível de erros, que essa divisão entre mocinhos e bandidos fomenta a repressão, o estado policial, a intimidação moral e física. Mário e Tarcísio, sedentos de justiça, simplesmente não conseguem enxergar que, ao ignorar a própria maldade como alicerce da bondade suprema,transformam-se invariavelmente em réplicas de um Judiciário falho, arrogante, parcial e ineficiente.

Tarcísio e Mário – magistrados do Facebook  e defensores da democracia de interesse próprio – não se conhecem, mas talvez compartilhem o banco dos réus, o dissabor da condenação injusta imposta por alguma autoridade intocável. Porque o mundo dá voltas e aqui se faz, aqui se paga.

 

*As citações foram tiradas de comentários escritos por anônimos nas reportagens sobre os fatos mencionados.

 

15895385_1317760471621430_3932532010120851115_n

 

 

Silvia Bujokas é jornalista.

 

 

 

 



advertisement

Be the first to comment on "Espelho, espelho meu."

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.


*